Aline Barros quebra o silêncio e fala sobre processo de funcionária gay que pede R$1 milhão na justiça

Aline Barros negou que tenha qualquer preconceito contra a orientação sexual da cantora gospel que à processou


Publicado em: 02/09/18 às 21:02 por Thalita G

Cantora gospel Aline Barros (Reprodução)

Compartilhe:

Aline Barros, uma das mais importantes artistas gospel do seu tempo, teve seu nome envolvido em uma série de processos que vieram à tona nos últimos dias, todos envolvendo causas trabalhistas.

Primeiro foi o caso envolvendo a sua ex-assistente, Marcela da Costa Macedo, que, segundo o processo de número 0100337-23.2016.5.01.0021 na 21º vara do Trabalho, pede R$200 mil de indenização.

Um outro caso que surpreendeu aos seguidores e intercessores de Aline Barros, foi o processo de número 0100956-67.2017.5.01.0004, impetrado na Justiça do Trabalho, por Rejane Silva Magalhães, ex -backing vocal da artista.

Rejane alega que ao longo dos 10 anos que trabalhou com Aline Barros,  não recebeu férias ou décimo terceiro, mas foi a suposta causa de sua demissão que chamou a atenção de toda a mídia nacional.

Ela disse que Aline Barros à demitiu depois de descobrir sua homossexualidade, e pede na justiça a reparação do “prejuízo” que teve a partir de sua demissão. Ela alega que mantinha em segredo a sua orientação sexual, mas isso veio à tona depois de sua demissão, o que prejudicou sua carreira na música gospel com outros artistas.

Ela pede R$1 milhão em reparação na justiça do trabalho.

Depois que a notícia foi publicada e veiculada no G1, Aline Barros enviou uma nota ao site, esclarecendo sua versão sobre o caso da Rejane, mas não falou nada sobre o processo da sua ex-assistente, Marcela

Leia a nota na íntegra:

“Após tomar conhecimento do teor da matéria veiculada pelo site G1 no dia de ontem, sinto-me na obrigação de vir a público para refutar as alegações ali expostas. E o faço não somente em respeito ao meu público, mas, em especial, em respeito a todos aqueles que conhecem meu trabalho, minha índole, minha postura e minha fé.

Foi com enorme surpresa e decepção que, meses atrás, tomei conhecimento da existência da reclamação trabalhista movida pela Sra. Rejane Magalhaes que, efetivamente, prestou serviços eventuais de backing vocal em minhas apresentações no decorrer de alguns anos.

Nesse ponto cabe um primeiro esclarecimento: na ação, a Sra. Rejane alega lhe serem devidas férias, décimo terceiro salário e outras verbas mais, em razão de nunca ter tido sua carteira de trabalho assinada. Contudo, a afirmação não corresponde aos fatos, uma vez que NUNCA houve relação de emprego entre aquela profissional e minha empresa.

+ Urgente: Ex-produtor de Aline Barros passa mal e é submetido à cirurgia cardíaca

A Sra. Rejane efetivamente atuou como backing vocal em minhas apresentações, mas sua atuação se dava unicamente quando sua agenda profissional era compatível com a minha e quando ela assim o desejasse, tendo ocorrido inúmeros apresentações sem sua presença, cabendo dizer, ainda, que durante todo esse período, a mesma atuava como backing vocal de outros artistas.

Ainda mais fantasiosa é a alegação de que nossa relação tenha se encerrado em razão de minha equipe ter tomado conhecimento da orientação sexual da Sra Rejane.

A escolha e contratação dos profissionais que atuam em nossas apresentações, seja aqueles que efetivamente compõe nossa equipe e possuem relação empregatícia conosco, seja aqueles que nos prestam serviços eventuais (caso da Sra. Rejane) se dá unicamente com base em sua capacidade e atuação profissional, não nos dizendo respeito os detalhes de suas vidas particulares, desde que tais detalhes não influenciem no objetivo geral dos eventos.

Aqueles que conhecem minha trajetória sabem da lisura e respeito com que trato os profissionais que comigo atuam, até mesmo porque, sem eles, nunca chegaria onde cheguei e a todos eles sou grata. Ademais, minha crença cristã jamais me permitiria agir de forma ilegal, desleal e/ou preconceituosa com quem quer que fosse, sendo absolutamente absurdas as alegações trazidas na ação judicial e novamente reproduzidas na matéria do G1 datada do dia 30/08/2018.

Por todos esses motivos, renovo aqui minha indignação contra os argumentos fantasiosos, maldosos e irresponsáveis que são apresentados naquela ação judicial, sendo certo que todos os pontos aqui mencionados serão alvo de provas e esclarecimentos que serão oportunamente apresentados em juízo, havendo, de minha parte, a mais plena convicção de que a JUSTIÇA e a VERDADE prevalecerão”. (Aline Barros).

Compartilhe:



Mais artigos

Cantora gospel com câncer raspa a cabeça em foto emocionante

Ela é uma das principais vozes do grupo formado por irmãos


Pastor Abílio Santana recebe alta depois de acidente grave

O pastor recebeu alta às 11 da manhã desta terça-feira 18


Cantores gospel são vítimas de “bando”e caso vai parar na polícia

O valor dos equipamentos subtraídos pelos bandidos é incalculável.


Cantor gospel Thalles Roberto e Valdemiro Santiago são denunciados em clipe secular

O clipe intitulado "Flow Valdemiro" já tem milhares de acesso no Youtube


Cabo eleitoral? Aline Barros surpreende e faz campanha para dono da MK na internet

A cantora integra o cast da Sony Music


Seminário “Fé e Finanças” com o pastor Eduardo Reis atrai milhares de pessoas em igreja baiana

O evento que teve início no último domingo 16 e encerra nesta terça-feira 18


Cantor gospel Leonardo Gonçalves faz desabafo e alfineta seguidores no Twitter

O desabafo de Leonardo pode estar diretamente relacionado ao que vem acontecendo ultimamente nas redes sociais


O que você não faria nem “fuden#@#?” Questiona Fontenelle a Malafaia

"Bate Bola", o quadro fundamentalmente é um jogo de perguntas e respostas rápidas


Cantora gospel Nicoli Francini, a nova cara do Worship no Brasil

A cantora gospel lançou seu novo single, "Eu Aceito"


Empoderada: Bruna Karla da show em participação de canção em italiano

Em Outubro está previsto o lançamento de um álbum infantil em espanhol