Após prisão, o que pensam fiéis e esposa do pastor acusado de matar filho e enteado

George Alves era cabeleireiro antes de fundar a própria igreja


Publicado em: 25/05/18 às 12:17 por Thalita G

Pastor George Alves e a esposa Juliana Salles, durante culto em sua igreja (Reprodução)

Compartilhe:

O caso do pastor evangélico que está sendo apontado pela polícia como o responsável pelas agressões, estupro e morte de Joaquim de 3 anos (Filho), e Kauã de 6 (Enteado), em um crime que chocou o estado do Espirito Santo em meados de Abril, continua causando indignação e revolta.

Apesar de toda a repercução em torno das investigações, um fato tem chamado a atenção da imprensa. Mesmo depois da polícia ter liberado o inquérito, que inclusive aponta 15 fatos sobre a morte das crianças que chocaram ainda mais quem, desde o início, aguarda o resultado das investigações, os discípulos do pastor George Alves, e fiéis da igreja Vida e Paz, não acreditam na versão exposta no inquérito policial.

Eles acreditam cegamente na inocência do pastor, e inclusive, não admitem que as pessoas o critiquem. Essa, pelo menos, é a versão relatada pelo site Gazeta Online, que conseguiu falar com o ministro de louvor da igreja.

Um dia após a morte dos filhos, o pastor George e a pastora Juliana Salles, ministraram no culto de sua igreja. Eles alegaram abrir mão do luto, escolhendo estar ao lado de sua família espiritual.

Desde que o pastor teve sua prisão preventiva decretada pela justiça, não estão acontecendo cultos na igreja Vida e Paz.

Segundo informações, a pastora Juliana Salles também acredita que o marido seja inocente. Ela preferiu não falar com a imprensa até o momento.

Pastor George Alves estaá preso, acusado de matar o filho e o enteado (Reprodução/Gazeta online)

Pastor George Alves está preso, acusado de matar o filho e o enteado (Reprodução/Gazeta online)

Baixa na defesa

Taycê Aksacki, um dos principais membros do grupo de advogados que defendem voluntariamente o pastor George, desde o início, decidiu abandonar o caso. Ela confirmou a imprensa que não atuará mais em defesa do pastor, mas se negou a esclarecer o motivo de sua decisão.

A advogada deu várias declarações no início das investigações, e sua saída repentina pode influenciar ainda mais a opinião pública contra o pastor.

+ “Nardoni gospel” Caso do pastor que matou filho e enteado para encobrir estupro, lembra caso antigo

O inquérito

O inquérito policial, baseado no resultado da perícia feita no local, concluiu que:

1 – Perto de uma escrivaninha que ficava no box de um banheiro da casa, a polícia confirmou ter encontrado sangue de uma das vítimas.

2 – A polícia não tem dúvidas de que, durante a madrugada, o pastor molestou as duas crianças. Isso aconteceu antes das agressões.

3 – Depois de agredir as crianças, elas acabaram ficando desacordadas, nesse momento, o pastor colocou os dois na cama e ateou fogo em ambos, ainda respirando.

4 – A pericia concluiu que  as crianças não morreram por inalar fumaça, e que elas não reagiram por que estavam desacordadas.

5 – A teoria de que algum problema elétrico teria causado o incêndio, foi rapidamente descartada, já que não foram encontrados nenhum vestígios de curto-circuito.

6 – Uma babá eletrônica foi encontrada no quarto, mas ela estava intacta, o que comprova a tese de que o incêndio não se originou por problema elétrico.

7 – O pastor escolheu passear na rua depois de atear fogo contra as crianças. Ele foi visto em vários lugares depois do crime.

8 – Antes do incêndio, testemunhas relataram ter ouvido gritos das crianças, durante os momentos da agressão.

9 – Vizinhos precisaram derrubar o portão quando chegaram ao local, na tentativa de salvar as crianças.

10 – A perícia constatou que as vítimas morreram no mesmo local em que o incêndio iniciou, confirmando a versão de que 11  estavam desacordadas quando as chamas começaram.

11 – A mãe das crianças não teve envolvimento no crime, a perícia constatou que ela não foi conivente.

12 – A polícia revelou não ter nenhuma previsão de que outras pessoas possam ser indiciadas, já que, o pastor estava sozinho

13 – em casa, e cometeu os crimes enquanto a mãe participava de um congresso evangélico.

14 – A justiça deverá receber o inquérito policial do caso, ainda na próxima semana.

15  – Se condenado, o pastor poderá responder  por duplo homicídio triplamente qualificado e duplo estupro de vulnerável. A soma máxima das penas é de 126 anos.

Compartilhe:



Mais artigos

Pastora Ludmila Ferber mostra cabeça após queda de cabelo e faz confissão emocionada

Pela primeira vez após revelar estar com a doença, a pastora mostra o efeito da quimio em seu cabelo


Saiba quais são os cantores gospel famosos que estão enfrentando doenças graves

Os casos acabaram acontecendo quase ao mesmo tempo e deixando muita gente preocupada


Ouça a musica gospel que pode virar um “hino” na luta contra a depressão

Leandro Prado é CEO da Observ Design


Malafaia inaugura restaurante da filha e detalhe causa polêmica

No restaurante da filha do pastor, foi instalada uma adega e isso despertou a ira dos críticos


Pregador famoso é flagrado usando transporte público e mostra que é gente como a gente

Mesmo com carro na garagem, muitas vezes ele usa ônibus ou metrô para atender alguns compromissos


Ex-artista da Globo volta ao evangelho e anuncia retorno a música gospel

Ele foi vice-campeão do quadro "Iluminados", no Domingão do Faustão da Globo


Vice-presidente da Assembleia de Deus de Pernambuco grava vídeo e se defende de acusações

O pastor alegou que falsificaram um documento e atribuíram a sua pessoa


Pastor Silas Malafaia sai em defesa de Marcelo Crivella: “Tudo armação”

Crivella desmente as acusações, e afirma que sentença do juiz do Rio não se baseia nos fatos


“FUI CURAR E FUI CURADA”diz cantora Eyshila após visitar a pastora Ludmila Ferber que está com câncer

Eyshila se surpreendeu com a determinação e a garra da pastora


“Vice presidente da Assembleia de Deus Madureira faz alerta grave sobre “ré-te-té”

A palavra reteté ficou muito conhecida e popular entre os evangélicos pentecostais