Após prisão, o que pensam fiéis e esposa do pastor acusado de matar filho e enteado

George Alves era cabeleireiro antes de fundar a própria igreja


2 anos atrás | Redação



Pastor George Alves e a esposa Juliana Salles, durante culto em sua igreja (Reprodução)

O caso do pastor evangélico que está sendo apontado pela polícia como o responsável pelas agressões, estupro e morte de Joaquim de 3 anos (Filho), e Kauã de 6 (Enteado), em um crime que chocou o estado do Espirito Santo em meados de Abril, continua causando indignação e revolta.

Apesar de toda a repercução em torno das investigações, um fato tem chamado a atenção da imprensa. Mesmo depois da polícia ter liberado o inquérito, que inclusive aponta 15 fatos sobre a morte das crianças que chocaram ainda mais quem, desde o início, aguarda o resultado das investigações, os discípulos do pastor George Alves, e fiéis da igreja Vida e Paz, não acreditam na versão exposta no inquérito policial.

Eles acreditam cegamente na inocência do pastor, e inclusive, não admitem que as pessoas o critiquem. Essa, pelo menos, é a versão relatada pelo site Gazeta Online, que conseguiu falar com o ministro de louvor da igreja.

Um dia após a morte dos filhos, o pastor George e a pastora Juliana Salles, ministraram no culto de sua igreja. Eles alegaram abrir mão do luto, escolhendo estar ao lado de sua família espiritual.

Desde que o pastor teve sua prisão preventiva decretada pela justiça, não estão acontecendo cultos na igreja Vida e Paz.

Segundo informações, a pastora Juliana Salles também acredita que o marido seja inocente. Ela preferiu não falar com a imprensa até o momento.

Pastor George Alves estaá preso, acusado de matar o filho e o enteado (Reprodução/Gazeta online)

Pastor George Alves está preso, acusado de matar o filho e o enteado (Reprodução/Gazeta online)

Baixa na defesa

Taycê Aksacki, um dos principais membros do grupo de advogados que defendem voluntariamente o pastor George, desde o início, decidiu abandonar o caso. Ela confirmou a imprensa que não atuará mais em defesa do pastor, mas se negou a esclarecer o motivo de sua decisão.

A advogada deu várias declarações no início das investigações, e sua saída repentina pode influenciar ainda mais a opinião pública contra o pastor.

+ “Nardoni gospel” Caso do pastor que matou filho e enteado para encobrir estupro, lembra caso antigo

O inquérito

O inquérito policial, baseado no resultado da perícia feita no local, concluiu que:

1 – Perto de uma escrivaninha que ficava no box de um banheiro da casa, a polícia confirmou ter encontrado sangue de uma das vítimas.

2 – A polícia não tem dúvidas de que, durante a madrugada, o pastor molestou as duas crianças. Isso aconteceu antes das agressões.

3 – Depois de agredir as crianças, elas acabaram ficando desacordadas, nesse momento, o pastor colocou os dois na cama e ateou fogo em ambos, ainda respirando.

4 – A pericia concluiu que  as crianças não morreram por inalar fumaça, e que elas não reagiram por que estavam desacordadas.

5 – A teoria de que algum problema elétrico teria causado o incêndio, foi rapidamente descartada, já que não foram encontrados nenhum vestígios de curto-circuito.

6 – Uma babá eletrônica foi encontrada no quarto, mas ela estava intacta, o que comprova a tese de que o incêndio não se originou por problema elétrico.

7 – O pastor escolheu passear na rua depois de atear fogo contra as crianças. Ele foi visto em vários lugares depois do crime.

8 – Antes do incêndio, testemunhas relataram ter ouvido gritos das crianças, durante os momentos da agressão.

9 – Vizinhos precisaram derrubar o portão quando chegaram ao local, na tentativa de salvar as crianças.

10 – A perícia constatou que as vítimas morreram no mesmo local em que o incêndio iniciou, confirmando a versão de que 11  estavam desacordadas quando as chamas começaram.

11 – A mãe das crianças não teve envolvimento no crime, a perícia constatou que ela não foi conivente.

12 – A polícia revelou não ter nenhuma previsão de que outras pessoas possam ser indiciadas, já que, o pastor estava sozinho

13 – em casa, e cometeu os crimes enquanto a mãe participava de um congresso evangélico.

14 – A justiça deverá receber o inquérito policial do caso, ainda na próxima semana.

15  – Se condenado, o pastor poderá responder  por duplo homicídio triplamente qualificado e duplo estupro de vulnerável. A soma máxima das penas é de 126 anos.




publicidade

Mais artigos

Márcio Poncio vai de “mal a pior”, veja o histórico do pastor em 2019

Evangélicos mais conservadores não concordam com as atitudes do pastor da Igreja Pentecostal Anabatista


Deputado Abílio rebate Carlos Martins: “anônimo desinformado que quer aparecer”

Abílio afirmou que Martins faltou com respeito e se mostrou desinformado sobre o cristianismo


Saiba quais foram os cantores gospel mais ouvidos no Spotify em 2019

A lista é contém veteranos e contemporâneos, e prova que nem sem o que está na moda é o que se consome mais


Pastor é preso após manter esposa em cárcere privado

O homem teria proibido a esposa de se comunicar com a família, usar o celular, a agredia fisicamente e passou a proibi-la de sair de casa.


Deputado-pastor quer o fim de motéis em áreas urbanas

Pastor Eurico afirma que os estabelecimentos dedicados ao sexo ferem o princípio da moral e dos bons costumes


Com doença grave, Mara Lima canta em praça pública no dia da Bíblia

Ela publicou um trecho de sua participação em suas redes sociais, e foi extremamente elogiada por seguir firme, apesar das dificuldades.


Samuel Mariano afirma que não irá parar de fazer shows para pastorear ADBrás JP

Samuel Mariano irá tomar posse como pastor presidente da ADBrás João Pessoal no próximo dia 10 de dezembro


Saiba porque processo sobre a morte de Anderson do Carmo está parado há um mês

Todas as testemunhas já foram ouvidas, mas ainda falta o depoimento da própria Flordelis


Pastores questionam consagração de Samuel Mariano

O cantor gospel será presidente da Assembleia de Deus em João Pessoa, na Paraíba


Igreja Universal será processada na Angola por forçar pastores a fazerem vasectomia

Mais de 300 bispos da IURD em Angola anunciaram o seu afastamento da direção brasileira e do bispo Edir Macedo