noticias gospel

Fim da briga: Garotas que deram beijo gay durante culto de Feliciano são derrotadas na justiça

Publicado em: 10/12/15 as 12:35 por Micael Batista

Compartilhe:
O Justiça mais uma vez nessa tarde foi feita!

O juízo da 1ª Vara Cível da comarca de São Sebastião/SP na tarde dessa quinta-feira (09) julgou IMPROCEDENTE a ação de indenização por danos morais que fora ajuizada em face do Deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP) por ditas “ativistas”, por fatos ocorridos em evento gospel que fora realizado no dia 15 de setembro de 2013 (GLORIFICA LITORAL), naquela mesma cidade e comarca, ocasião que foi organizado um “beijaço gay” (nome conferido pelas próprias “ativistas” e pela imprensa na época).

O deputado era acusado de ter incitado o ódio através de seu discurso e de ter arbitrariamente, dado voz de prisão as “ativistas”, que foram detidas pela guarda-civil municipal, tendo sofrido agressões física e verbais, segundo suas alegações.

O magistrado assertivamente entendeu que: “pelo que se percebe dos elementos constantes dos autos, sob a alegação de exercer o direito à liberdade de expressão, a atitude das autoras acabou por ofender a liberdade de religião de milhares de pessoas que estavam presentes ao evento. As autoras agiram de forma provocativa e deliberada, sem atentar para o sentimento religioso daquelas pessoas” (sic) (grifamos).

E finalmente fulminou, o nobre Juiz de Direito, que o ato atribuído ao deputado (de ter dado voz de prisão) não pode ser causa de responsabilização civil, já que as condutas das “ativistas”, ainda que em tese, configuram crime contra o sentimento religioso (art. 208, do Código Penal).

Assim é o Senhor “odeia os lábios mentirosos, mas se deleita com os que falam a verdade” (Provérbios 12:22).

Compartilhe: