noticias gospel

Filho do Pastor presidente da Aassembleia de Deus em AL, é condenado mais uma vez

Publicado em: 05/07/14 as 11:56 por Micael Batista

Compartilhe:

O deputado Jotta Cavalcante, filho do Pastor presidente das Assembleia de Deus em Alagoas é condenado pela “onésima”  vez, e dessa vez, por crime eleitoral.

A decisão do desembargador eleitoral auxiliar Otávio Leão Praxedes, foi publicada no Diário Eletrônico da Justiça Eleitoral da última quarta-feira (02), condenou o deputado José Cavalcante dos Santos – Jota Cavalcante (PDT) – ao pagamento de multa mínima de R$5 mil por sua participação em eventos religiosos ao ar livre promovidos pela igreja Assembleia de Deus, caracterizando propaganda eleitoral antecipada.

O magistrado julgou procedente a Representação Eleitoral ajuizada pelo Ministério Público Eleitoral (MPE), que analisou que as aparições do deputado estadual nos eventos religiosos teria o propósito de massificar a divulgação das suas pretensões políticas nas Eleições 2014, por ele ser pré-candidato declarado à reeleição.

Leia: Deputado Jota Cavalcante é acusado de desviar R$4,7 Milhões

           Se você é evangélico ou católico, clique em curtir


Em sua manifestação, o deputado representado afirmou que sua conduta seria completamente regular, afastando qualquer pretensão de obter proveito político por intermédio dos eventos de cunho evangelístico que promove e apoia há vinte anos. Ainda segundo Jota Cavalcante, sua participação nos eventos é única e exclusivamente uma das muitas modalidades que poderia assumir sua profissão de fé.

“Entendo que são bastante razoáveis os argumentos do MPE, principalmente o de que até a chamada promoção pessoal, levada a efeito por indivíduo regularmente filiado a um partido político, deve ser presumida como autêntica antecipação da campanha eleitoral, especialmente quando o representado utiliza-se de meio de propaganda (aparição em concentrações públicas) de largo alcance, onde ventila, de forma límpida e sem disfarces, a sua pretensão para o pleito de outubro próximo”, concluiu o desembargador Otávio Praxedes.

Com informações/ Alagoas 24 Horas
Compartilhe: