Em julgamento no Rio, Beira-Mar diz que estuda teologia em presídio


Publicado em: 13/03/13 às 2:16 por Micael Batista | Atualizado em 29/08/2017 às 23:43


Compartilhe:


Em julgamento iniciado por volta das 14h desta terça-feira (12), com uma hora de atraso, no Tribunal de Justiça, no Centro do Rio, o traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, negou que tenha orquestrado a morte de três homens. O criminoso, que chegou de helicóptero por volta de 11h, vindo de Bangu 1, e responde por homicídio qualificado, disse ainda que está estudando teologia, à distância, do presídio de Catanduvas (PR), para onde foi transferido em setembro de 2012.

Segundo o réu, ele não trabalha na unidade prisional, porque esse tipo de oportunidade não é oferecida em Catanduvas. Na chegada ao plenário do 4º Tribunal do Júri, escoltado por quatro agentes do Departamento Penitenciário Federal, a serviço do Ministério da Justiça, escondendo as algemas e de óculos, ele sorriu, acenou e mandou beijos para parentes e amigos que acompanhavam a audiência.

Beira-Mar é acusado de orquestrar a morte de Antônio Alexandre Vieira Nunes, Edinei Thomaz Santos e Adaílton Cardoso de Lima, de dentro da penitenciária Bangu 1, onde estava preso em 2002. Apenas o terceiro sobreviveu.Às 15h, começou o interrogatório. Antes, a defesa pediu a suspensão da sessão porque nenhuma das seis testemunhas compareceu. A promotoria, no entanto, disse que não seria necessário, e o juiz Murilo Kieling decidiu prosseguir com o julgamento, e perguntou se o réu usaria de seu direito de permanecer em silêncio. Beira-Mar preferiu responder.

O juiz perguntou, então, se o réu teria ordenado os homicídios. “Não, de forma alguma”, respondeu. “Tanto que eu mandei socorrer o Adaílton, que era meu olheiro”, disse sobre o sobrevivente, desaparecido após o crime e, portanto, uma das testemunhas ausentes.

Beira-Mar contou que apenas ordenou a realização de uma reunião na favela Beira-Mar, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, para esclarecer uma guerra que estava acontecendo entre traficantes da comunidade. Nesta época, segundo ele, que estava em Bangu 1, a ordem foi dada por meio de um dos telefones celular que ficavam a sua disposição no presídio. Ainda de acordo com o réu, durante a reunião, o traficante conhecido como Pepito teria se descontrolado e atirado a esmo, matando inclusive inocentes.

Questionado pelo MP sobre o interrogatório anterior, em que negou ter conhecimento das mortes e afirmou que não se tratava de sua voz nas escutas telefônicas, Beira-Mar admitiu que mentiu para não produzir provas contra si mesmo. “Na época, eu tinha uma outra visão de vida. Estou sofrendo bastante e quero pagar o que devo à Justiça”, disse o traficante, acreditando que quem tiver acesso às escutas telefônicas perceberá que não partiu dele a ordem para os homicídios.

Gravações telefônicas feitas pela Polícia Federal em 2002 mostrariam o traficante ordenando as mortes das vítimas pelo telefone, de dentro da cadeia. Logo depois, sons de tiros são registrados no áudio gravado.

Intervalo
Às 15h45, após o fim do interrogatório, foi iniciado um intervalo previsto de 10 minutos, mas que durou 40 minutos, antes da fase de debates. Beira-Mar foi retirado do plenário e os jurados foram para a sala secreta.

No retorno, o promotor Marcelo Muniz apresentou aos jurados reportagens do “Fantástico” e do “Jornal Nacional” sobre o traficante, além das escutas telefônicas.

Após 1h30min de tese da acusação, foi dada a palavra à defesa, por volta das 18h10. O advogado Wellington Correa sustenta que as escutas telefônicas não têm autorização judicial e, por isso, na prova seria ilícita. “Luiz Fernando da Costa é uma pessoa notoriamente perseguida pela imprensa, mas tem direito a ampla defesa. Não há autorização judicial nesse processo”, disse.

Segundo o TJ-RJ, as condenações de Beira-Mar no Rio somam 69 anos e meio de prisão. No total, considerando também sentenças de outros estados, são 120 anos.

Após o fim do debate entre acusação e defesa e novo intervalo, a sessão foi retomada por volta das 20h, com a réplica do MP-RJ. Em seguida, foi vez da tréplica da defesa, encerrada perto das 22h, quando Beira-Mar foi retirado da sala e os sete integrantes do júri se reuniram na sala secreta para decidir pela condenação ou absolvição do réu, permitindo que o juiz dê a sentença, prevista para as 23h.

No Rio desde segunda
O traficante chegou à penitenciária Bangu 1, no Rio, na tarde desta segunda para comparecer à audiência, segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap).

O réu cumpre pena na Penitenciária Federal de Catanduvas (PR). Antes, o traficante estava preso na Penitenciária Federal de Segurança Máxima de Porto Velho (RO).

Compartilhe:



Mais artigos

Cabo Daciolo dá resposta aos inimigos em post no Instagram

O parlamentar fez alguns inimigos em Brasília, mas também conquistou a simpatia de muitos brasileiros


Vanilda Bordieri desabafa em Live no Facebook e diz que “não é a favor do divórcio”

Vanilda está em pé de guerra com alguns seguidores desde a transmissão que fez do casamento relâmpago de sua irmã Célia Sakamoto


Daniela Araújo lança clipe da música “Sonhadora” e dar a volta por cima

"Eu continuo aquela pessoa sonhadora, meio criança meio boba, imaginando coisas boas por aí..."


Jojo Todynho “detona” críticos após ser flagrada cantando música gospel

Ela reclama da falta de tolerância e ataca duramente os seus críticos.


Bebê é abandonado na porta da igreja e religioso toma decisão inusitada

"Me sinto responsável por ele, desejava até adotar a criança"


Álbum “Fraquinho” de Fernanda Brum ganha Grammy e desbanca Anderson Freire e Cassiane

A cantora ganhou com o álbum "Som da Minha Vida"


Sem Deus, Paula Fernandes tenta suicídio em ato de desespero

Paula Fernandes,  encontra-se atualmente em Orlando, nos Estados Unidos


Pastor expulsa homem que foi ao culto vestido de mulher e militância LGBT não perdoa

O homem teria concordado verbalmente em seguir as regras da igreja, mas continuou se vestindo como uma mulher


Cia de Artes Nissi prepara um musical com participação de cantores gospel

A narrativa do novo projeto contará a história do reavivamento da Rua Azusa


Camp Fire: Pastor arrisca sua vida e ajuda vítimas de incêndio na Califórnia

30 pessoas que não conseguiram evacuar foram salvas pelo pastor e por membros da congregação