noticias gospel

“Ela é Deus”, diz ex-funcionário de hospital sobre médica acusada de mortes

Publicado em: 25/02/13 as 2:00 por Micael Batista

Compartilhe:

Em reportagem do “Fantástico” exibida na noite deste domingo (24) pela Globo, um ex-funcionário do Hospital Evangélico de Curitiba afirma ter presenciado diversas vezes o desligamento do respirador de pacientes da UTI pela médica Virgínia Helena Soares de Souza.
“Eu já a vi várias vezes desligando o respirador”, declarou ao programa Sílvio de Almeida, técnico em enfermagem. “Ela é Deus. Ela desliga o que quiser.”
Almeida afirmou ainda que a médica não agia sozinha. “Dois médicos e uma médica tinham a mesma conduta que ela.”

Virgínia e os anestesistas Maria Israela Boccato, Edison Anselmo da Silva Júnior e Anderson de Freitas estão detidos. Silva Júnior e Freitas se defenderam das acusações no programa.
“Sou um médico honesto. Dei tudo de mim para o tratamento dos pacientes. Infelizmente, tive resultados ruins”, afirmou Silva Júnior. “Nunca fui um criminoso.” Freitas disse ter ficado “assustado” com as acusações.

PACIENTES
O “Fantástico” entrevistou também parentes de pessoas que morreram na UTI do hospital e pacientes que tiveram passagem por lá. Uma mulher que não teve a identidade revelada afirma ter tido medo de morrer quando acordou do coma no hospital. “Ela disse que era para desligar [o ventilador] para ver se eu aguentaria”, disse a ex-paciente. “Ouvi isso da boca dela.”
Virginia negou as acusações. Disse, em entrevista não gravada pela equipe de reportagem, que os procedimentos tomados foram “atos médicos” e que fez muitos inimigos por ter temperamento forte.
O advogado da médica, Elias Assad, afirmou no programa que não há elementos que configurem homicídio qualificado. “As pessoas falecidas naquela UTI entraram em óbito por causas naturais”, disse o advogado.

Compartilhe: