Presidente Dilma intercede e fuzilamento de brasileiro na Indonésia é adiado

O brasileiro entrou com 13,4 kg de cocaína no país, quantidade expressiva de droga que figura entre os recordes de apreensões.


7 anos atrás | Micael Batista




O embaixador brasileiro em Jacarta, Paulo Soares, descartou, por ora, a execução de Marco Archer Cardoso Moreira, 50, condenado à morte na Indonésia por tráfico internacional de drogas. A resposta ocorre após intervenção da presidente Dilma Rousseff, do chanceler Antonio Patriota e do embaixador Soares.
Segundo o Itamaraty, as “tratativas ocorrem em alto nível” – diretamente com o presidente indonésio Susilo Bambang Yudhoyono.
Na semana passada, Soares se reuniu com representantes do Secretaria de Estado da Indonésia, órgão ligado à Presidência.
Ouviu, segundo ele, que não há nenhuma definição ainda sobre o fuzilamento do brasileiro Marco Archer.
O embaixador disse ter sido informado que o presidente Yudhoyono não respondeu ao segundo pedido de clemência feito em favor do brasileiro. Archer só poderia ser executado se houvesse uma negativa ao pedido.
“Foi um alívio”, disse o embaixador, que viajou na terça-feira retrasada para Cilacap, a oito horas de trem de Jacarta, para visitar o brasileiro e “tranquilizá-lo”. Até então, o próprio Itamaraty acreditava que o segundo pedido de clemência havia sido rejeitado pelo presidente indonésio.
A tensão foi deflagrada a partir de semana passada, quando um procurador declarou ao The Jakarta Post que Archer seria executado nas próximas semanas, ao lado de dois estrangeiros também condenados à morte. A fala do procurador sinalizava que o presidente indonésio decidira não perdoar Archer. Daí a preocupação brasileira no caso.
A Folha tentou, nas últimas duas semanas, falar com esse procurador, sem êxito.
Não está clara a influência de Dilma e Patriota sobre Susilo Bambang Yudhoyono. O Itamaraty não quer dar detalhes. A avaliação é que evitar a execução de Archer já é uma vitória; libertá-lo é improvável em razão da gravidade do crime que cometeu na Indonésia.
O brasileiro entrou com 13,4 kg de cocaína no país
Resumo do caso
O brasileiro entrou com 13,4 kg de cocaína no país, quantidade expressiva de droga que figura entre os recordes de apreensões.
Nascido no Rio de Janeiro e instrutor de asa-delta, Archer diz que a venda da droga serviria para pagar uma dívida contraída com um hospital em Cingapura.
Em 1997, ele caiu de um parapente em Bali e teve que ser transferido para o país vizinho. Não conseguiu pagar todo o tratamento e era constantemente cobrado.
Qual é a sua opinião sobre o assunto? Deixe o seu comentário
Fonte: Folha



publicidade

Mais artigos

Netflix é boicotada após filme do Porta dos Fundos com Jesus gay

O filme sugere uma relação homossexual entre Jesus e Satanás e põe Deus, Maria e José como um triângulo amoroso


Troféu Gerando Salvação 2019: Confira a lista dos vencedores

Grandes nomes da música gospel na atualidade estiveram presente no evento


Ex-Tiazinha faz treinamento intensivo de pregação com pastor Ed René

Suzana Alves se converteu há alguns anos e hoje frequenta a igreja Bola de Neve


Marco Feliciano se manifesta sobre expulsão do partido e desmente acusações

Feliciano foi expulso do Podemos nessa segunda-feira (9), depois de uma série de denuncias de corrupção


Em novo vídeo Paxtorzão satiriza coaching gospel

A sátira arrancou gargalhadas dos internautas e os comentários positivos foram uma unanimidade


Evangélicos perdoaram Flordelis?

Lideres religiosos, cantores gospel e até a própria gravadora de Flordelis, MK, parecem tê-la abandonado. 


Pastor Marco Feliciano é expulso do partido acusado de corrupção e assédio

Feliciano também é acusado de ter gasto R$ 157 mil do dinheiro público para fazer um tratamento odontológico


Márcio Poncio vai de “mal a pior”, veja o histórico do pastor em 2019

Evangélicos mais conservadores não concordam com as atitudes do pastor da Igreja Pentecostal Anabatista


Deputado Abílio rebate Carlos Martins: “anônimo desinformado que quer aparecer”

Abílio afirmou que Martins faltou com respeito e se mostrou desinformado sobre o cristianismo


Saiba quais foram os cantores gospel mais ouvidos no Spotify em 2019

A lista é contém veteranos e contemporâneos, e prova que nem sem o que está na moda é o que se consome mais