noticias gospel

Falso pastor aplica golpe por telefone em Igreja Evangélica

Publicado em: 21/07/12 as 2:15 por Micael Batista

Compartilhe:
Falso pastor aplica golpe por telefone em Igreja Evangélica de Londrina norte do Paraná e segundo consta o ou os golpistas conseguiram enganar outras igrejas, ficando assim caracterizado que o golpe está sendo feito em todo o pais. – Confira e comente…

A pastora Fernanda Carvalhais e seu pai, o pastor Eliodoro Leite, da Igreja Casa da Benção em Londrina, foram vítimas de um novo golpe, na note desta quinta-feira (19). Os bandidos se passaram por doadores fazendo caridade, e se aproveitaram da boa fé da instituição religiosa.
As vítimas receberam a ligação de um homem se passando por pastor de uma igreja do interior de São Paulo, dizendo que um fiel estava fazendo doação de material de construção, mas para que a igreja daqui de Londrina recebesse a doação, precisaria colaborar com o frete do caminhão.
Como o homem mencionou o nome de algumas pessoas conhecidas, o pastor Eliodoro acreditou na doação e efetuou um depósito bancário no valor de R$ 1,5 mil para colaborar com o frete da carga doada.
Mais tarde, uma segunda ligação pedia mais dinheiro para completar o combustível da carreta que estaria em Ourinhos.
A pastora Fernanda desconfiou da situação quando mais tarde uma segunda ligação pedia mais dinheiro para completar o combustível da carreta que estaria parada em Ourinhos.
Desconfiada de que se tratava de um golpe, obteve a confirmação no banco. O gerente da agência analisou a conta para onde foi feito o depósito e descobriu que nela havia vários outros depósitos no mesmo dia, feito supostamente por outras instituições ludibriadas pelo falso pastor, na expectativa de receberem doações de um falso fiel. Os saques foram todos feitos pouco depois dos depósitos, sacados em uma agencia bancária de São Vicente, região da cidade de Santos, no litoral paulista.
A pastora Fernanda solicitou as imagens da agência onde os saque ocorreram, mas foi informada que o banco só as libera mediante ordem judicial. O caso deve ser investigado pela polícia.
Compartilhe: