Bruno não pode mais trabalhar na penitenciária, diz Secretaria


Publicado em: 14/07/12 às 10:11 por Micael Batista


Compartilhe:

Goleiro Bruno chora durante depoimento na
Assembleia de Minas Gerais.
(Foto: Alex de Jesus/O Tempo)

A Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) informou, nesta sexta-feira (13), que o goleiro Bruno Fernandes não poderá  trabalhar na faxina na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, onde está preso há dois anos. De acordo com o órgão, o atleta, réu no processo sobre morte e desaparecimento de Eliza Samudio, cometeu um “erro disciplinar” ao enviar uma carta, por meio de seu advogado, a um programa de televisão local.
Ao G1, o defensor Rui Pimenta confirmou que recebeu a mensagem de seu cliente e a entregou ao apresentador do programa nesta quinta-feira (12).

A Seds também informou que a punição é temporária e que Bruno está recolhido em sua cela, com direito a apenas duas horas de banho de sol. Nesta segunda-feira (16), o goleiro será ouvido, para encaminhamento de sua defesa à Comissão Disciplinar do Complexo Prisional, que determinará o fim do recolhimento em cela ou o prazo de extensão da medida.

Segundo a secretaria, as correspondências precisam passar por um departamento específico, para registro e conferência do conteúdo da mensagem. A direção da unidade também notificará a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) sobre o caso.

Carta para Macarrão
A última edição da revista “Veja” publicou outra carta de autoria do goleiro, segundo a defesa de Bruno. O texto, que era endereçado a Luiz Henrique Romão, o Macarrão, citava um ‘plano B’. Os advogados Rui Pimenta e Francisco Simim visitaram o jogador nesta segunda-feira (9) na Penitenciária Nelson Hungria, quando o jogador confirmou ter escrito a mensagem e explicou seu teor.
“O que o Bruno quis ressaltar é que assumir o ‘plano B’ era uma obrigação do Macarrão, porque o Macarrão havia traído Bruno quando sumiu com a Eliza”, justificou Pimenta. Segundo o advogado, Eliza foi morta sem o consentimento do jogador. Pimenta alega que a carta foi redigida em novembro do ano passado e veio a público com o final apagado, dando margem a distorções. Ele afirmou aoG1 que, no trecho final Bruno disse ter escrito: “Macarrão, você tem realmente que assumir este crime porque eu não posso pagar por sua traição. Eu não mandei você sumir com a Eliza”, relatou.

A Secretaria de Estado de Defesa Social informou que a carta escrita pelo goleiro não consta nos registros de correspondências enviadas e recebidas por detentos da Penitenciária Nelson Hungria. De acordo com a Seds, o atleta disse, em depoimento na unidade prisional nesta segunda, que pediu para outro preso entregar a mensagem ao amigo. A Seds informou ainda que a penitenciária dará continuidade ao procedimento de apuração para checar como a carta saiu da unidade prisional. As informações levantadas serão remetidas à Justiça.

Caso Eliza Samudio
O goleiro Bruno Fernandes e mais sete réus vão a júri popular no processo sobre o desaparecimento e morte de Eliza Samudio, ex-namorada do jogador. Para a polícia, Eliza foi morta em junho de 2010 na Região Metropolitana de Belo Horizonte, e o corpo nunca foi encontrado. Em fevereiro de 2010, a jovem deu à luz um menino e alegava que o atleta era o pai da criança. Atualmente, o menino mora com a mãe de Eliza, em Mato Grosso do Sul.
O goleiro, o amigo Luiz Henrique Romão – conhecido como Macarrão –, e o primo Sérgio Rosa Sales vão a júri popular por sequestro e cárcere privado, homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. Sérgio responde ao processo em liberdade. O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, também está preso e vai responder no júri popular por homicídio duplamente qualificado e ocultação de cadáver.
Dayanne, ex-mulher do goleiro; Wemerson Marques, amigo do jogador, e Elenílson Vítor Silva, caseiro do sítio em Esmeraldas, respondem pelo sequestro e cárcere privado do filho de Bruno. Já Fernanda Gomes de Castro, outra ex-namorada do jogador, responde por sequestro e cárcere privado de Eliza e do filho dela. Eles foram soltos em dezembro de 2010 e respondem ao processo em liberdade. Flávio Caetano Araújo, que chegou a ser indiciado, foi inocentado.
Segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), não há previsão de data para o julgamento do caso Eliza Samudio.
 
Você acha que Bruno merece ser punido por ter enviado a carta? Deixe sua opinião no Fala Malafaia
fonte: G1

Compartilhe:



Mais artigos

Saiba mais: O que levou o pastor José Wellington a tocar trompete durante o culto?

Sem que ninguém esperasse o pastor surpreendeu a todos com a atitude inusitada


Aline Barros comemora 18 anos de aniversário de casamento

Gilmar Santos foi jogador de alguns times nacionais e internacionais, hoje ele é pastor em uma igreja no Rio de Janeiro


Depois de cantar em evento gospel, Ton Carfi prestigia luta de amigo no UFC

Ton foi um dos cantores que participaram do  Canto pela Paz em São Paulo


Dossiê Magno Malta: Youtuber polêmico revela passado obscuro do Senador pastor

O vídeo vem dividindo as opiniões dos internautas


Cantor gospel famoso separa da mulher e casa em segredo com novinha

O cantor gospel já se envolveu em outra grave polêmica em 2015


Apóstolo que foi preso com dólares na “cueca” unge Bolsonaro em hospital

O líder esteve no último sábado 22 visitando o presidenciável


Surpreendente: Pastora muda visual e mostra antes e depois

Para mim academia era para gente magra, musculosa, jovem... Eu estou vencendo o preconceito!


10 Notícias para entender o mundo gospel no mês de Setembro

Tragédias, acidentes, polêmicas, surpresas, um emaranhando de situações que fizeram de setembro um mês totalmente atípico no mundo gospel


Pastor famoso se une a Kleber Lucas e posa ao lado de pai de santo contra intolerância

Ele é Pastor Presidente da Igreja Batista Betânia, e muito conhecido no meio gospel


Por que Fernanda Brum e Damares deixaram de seguir Shirley Carvalhaes no Insta?

As cantoras gospel parecem seguir o exemplo de Cassiane