noticias gospel

Jean Wyllys afirma que cristãos apoiariam o governo do Irã se este “massacrasse apenas os homossexuais”

Publicado em: 27/06/12 as 20:18 por Micael Batista

Compartilhe:
Jean Wyllys afirma que cristãos apoiariam o governo do Irã se este “massacrasse apenas os homossexuais”

O deputado federal Jean  Wyllys (PSOL-RJ) usou o Twitter para criticar o presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad e os cristãos brasileiros.
Em sua publicação, o ativista gay afirmou que “fundamentalistas cristãos brasileiros só estão protestando contra Ahmadinejad porque este também não tolera outras religiões no Irã! Mas, aqui no Brasil, os fundamentalistas cristãos também não toleram os adeptos do Candomblé e da Umbanda, logo, se parecem com Ahmadinejad! Se Ahmadinejad massacrasse apenas os homossexuais, os fundamentalistas cristãos no Brasil certamente estariam apoiando o teocrata iraniano”.

O presidente do Irã, conhecido por suas posturas polêmicas e defesa do islamismo, afirmou em 2011, durante discurso na ONU, que em seu país não existiam gays. A imprensa internacional já relatou casos de enforcamentos de pessoas acusadas da prática homossexual pelo governo do Irã.
Segundo Paulo Teixeria, colunista do Gospel+ e do Holofote.Net, “Jean Wyllys perdeu uma grande chance de usar a tribuna da Câmara dos Deputados para expressar repúdio à brutal morte de homossexuais no Irã. Além disto, o ex-BBB deveria ter conclamado seus seguidores e admiradores, de todo o Brasil, a organizarem eventos no Rio e em outros estados, pedindo ao governo do Irã o fim das mortes dos gays”. Teixeira afirmou ainda que o deputado “preferiu a omissão, a covardia e o egoísmo, típico dos movimentos gays que só pensam em suas causas”.
Teixeira critica ainda a postura de Jean Wyllys em relação aos cristãos como um todo: “O deputado tem como prática, rotular, com viés pejorativo, os cristãos de ‘fundamentalistas’. No entendimento dele, qualquer cristão que se respalda na Bíblia para afirmar que a prática do homossexualismo é pecado, é um fundamentalista, um ‘homofóbico’, afirmou.
Fonte: Gospel+
Compartilhe: