Alunos de escolas municipais terão disciplinas de 4 religiões


Publicado em: 24/06/12 às 14:26 por Micael Batista | Atualizado em 29/08/2017 às 23:43



Segundo matéria publicada neste sábado (23) pelo jornal O Globo, alunos do 1º ao 3º ano do ensino fundamental de 80 escolas da rede municipal do Rio de Janeiro terão aulas, a partir do segundo semestre deste ano, de quatro religiões: católica, evangélica, espírita e afro-brasileiras.

A prefeitura já realizou concurso para a contratação de 100 professores de religião. O modelo será confessional, ou seja, voltado para cada credo. Até o momento, serão 45 docentes católicos, 35 evangélicos, dez espíritas e dez de religiões afro-brasileiras. Apenas os estudantes cujos pais deram autorização, durante a pré-matrícula, terão um tempo de aula por semana da disciplina. Para as outras crianças, haverá “educação para valores” (apresentação de temas ligados à ética e à cidadania) durante o período vago.
A iniciativa da Secretaria Municipal de Educação é consequência de uma lei, proposta pelo próprio Executivo, aprovada em outubro do ano passado pela Câmara e sancionada logo em seguida pelo prefeito Eduardo Paes. O texto criou a categoria de professor de ensino religioso nos quadros da rede, abrindo a possibilidade de concurso para até 600 docentes. A regra estabelece que os profissionais contratados “devem ser credenciados pela autoridade religiosa competente, que exigirá formação obtida em instituição por ela mantida ou reconhecida”. É exigido ainda nível superior com licenciatura plena, sem especificação de disciplina.
Supremo Tribunal Federal
O tema do ensino religioso também está sendo discutido no Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília. Em 2010, a Procuradoria Geral da República entrou com uma ação direta de inconstitucionalidade contra a União e o Congresso, que ratificaram, através de decreto, o texto de um acordo firmado no governo Lula com a Santa Sé, dizendo que “o ensino religioso, católico e de outras confissões religiosas, de matrícula facultativa, constitui disciplina dos horários das escolas públicas de ensino fundamental”.
Apesar de o mesmo texto do acordo ressaltar que “está assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, em conformidade com a Constituição”, a procuradoria defende o ensino não confessional, de caráter ecumênico. A principal alegação é que o acordo com a Santa Sé fere a Carta Magna ao violar o princípio da laicidade do Estado. O processo ainda está em análise, tendo como relator o ministro Carlos Ayres Britto.
No Rio, o processo de aprovação da lei foi recheado de discussões. O texto original do Executivo acabou recebendo emendas. O presidente da Comissão de Educação da Câmara, Paulo Messina (PV), afirmou que, por ele, o projeto teria sido derrubado. Segundo Messina, o projeto surgiu de um acordo do prefeito Eduardo Paes com a Igreja Católica.
Por meio de sua assessoria de imprensa, o prefeito informou que, para a elaboração do projeto de lei, “houve um entendimento entre diversas denominações, e a Igreja Católica foi uma das grandes parceiras da prefeitura”. A secretária de Educação, Claudia Costin, não quis se pronunciar sobre o assunto.
Defesa de religiosos
O bispo auxiliar e referencial para ensino religioso da Arquidiocese do Rio, dom Nelson Francelino Ferreira defendeu o modelo que está sendo implementado no município. Para ele a educação tem que estar voltada para o desenvolvimento integral do ser humano.
Dom Nelson acrescentou que, para os professores católicos da rede municipal, foi pedida formação em teologia. E completou, informando que será feito um acompanhamento paralelo para que haja uma formação ecumênica dos profissionais. “Estamos atentos para que o ensino religioso não seja usado como elemento de proselitismo. Não é catequese”, finalizou.
Já o coordenador do Observatório da Laicidade do Estado, da UFRJ, Luiz Antônio Cunha, é contra o ensino religioso confessional. Pra ele há uma espécie de desistência do Estado de assumir suas atividades pedagógicas ao transferi-las para instituições religiosas. “Os professores das escolas públicas são pagos por todo o povo, através de impostos, inclusive daquelas pessoas que não têm religião”.
Para o reverendo Daniel Rangel, da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, a medida da prefeitura vai ajudar a sociedade carioca a aceitar melhor a pluralidade de religiões. “Acho positivo, porque vai ensinar às crianças não apenas valores éticos ligados à sociedade civil, mas à religião. Vai ser uma oportunidade de a sociedade do Rio aprender a se relacionar com a pluralidade religiosa”.
Pela primeira redação da Lei de Diretrizes e Bases, que criou em 1996 as normas atuais da educação, o ensino religioso não poderia trazer ônus aos cofres públicos. Ou seja, a contratação de professores, por exemplo, era vedada. Em 1997, esse artigo foi retirado. Ficou determinado que estados e municípios estabelecessem suas normas, “assegurado o respeito à diversidade cultural e religiosa”.
Qual é a sua opinião sobre esse assunto? Deixe o seu comentário 
Fonte: O Globo


Aniversariante do mês
Liz Lanne

Cantora

41 anos


Mais lidas

Mais artigos

Padre brasileiro é excomungado após ser acusado de estuprar 11 ex-freiras

O Vaticano investigou o caso e considerou o brasileiro culpado, não dando a ele uma segunda chance de continuar na igreja.


Deputado evangélico propõe “Dia do Orgulho Hétero” e irrita comunidade LGBT

“Se nada for feito para impedir, muito em breve tornar-se-á crime ser ou se declarar heterossexual”, disse o pastor


Jesus Cristo é a “base da felicidade” diz Marcos Mion e emociona internautas

O ato ocorreu no último dia 18, quando o apresentador foi com seu filho altista para uma congregação, ficando fortemente emocionado, se declarou para Jesus


Blocos carnavalescos para evangelizar, certo ou errado? Descubra!

Nos últimos tempos deste século, temos presenciado e notado muitos "blocos carnavalescos" surgindo nas igrejas, com intuito de evangelizar


Cabo Daciolo quebra jejum das redes sociais e faz desafio surpreendente

Como sempre, os internautas adoraram a volta de Daciolo as redes sociais, e em poucos minutos a publicação já tinha milhares de likes e comentários


André Valadão “quebra o silêncio” sobre ataques a sua linha de cartão de crédito

O vídeo foi ao ar no dia 18, onde o pastor e cantor gospel rebateu e esclareceu as criticas


Após fim de casamento Magno Malta toma atitude desesperada para voltar com Lauriete

Segundo um jornal local do Espírito Santo, o que teria motivado a separação, seria uma suposta traição de Magno Malta


Samuel Mariano desabafa e diz o que pensa sobre alguns cantores e pregadores famosos

Samuel atualmente tem dedicado grande parte do seu tempo ao seu projeto missionário chamado "Quero Almas", e nesse momento se encontra no interior da Bahia


Damares Alves convida Agustin Fernandez para participar de campanha e funkeira se revolta

Segundo a ministra, a campanha contará com o auxílio de profissionais da área de beleza que identificará as mulheres vítimas de violência


Ana Paula Valadão da a volta por cima após crise e recebe conselho de ministro

Agora, ela parece se redimir com seu público, e depois de algumas mudanças acentuadas, Ana Paula Valadão voltou a agradar.